Notícias

Newsletter

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Parceria do TJ do Rio com entidade francesa vai levar às escolas projeto sobre Direitos Humanos

“A base do conhecimento se desenvolve nas escolas”. Foi com essa frase que o desembargador Siro Darlan, da 7ª Câmara Criminal do Tribunal do Rio de Janeiro (TJRJ), deu início à reunião de parceria com o Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec) do TJRJ para o desenvolvimento do projeto “Caminhos dos Direitos Humanos – Construindo Pontes”. A iniciativa pretende, através da difusão da cultura, consensualidade e pacificação, semear a consciência dos Direitos Humanos. O encontro aconteceu nesta quarta-feira, dia 11, no TJRJ. “Nós importamos esse projeto da Europa, concebido pela artista plástica vinculada aos Direitos Humanos Françoise Schein através de painéis desenhados em azulejos alusivos à carta dos Direitos Humanos. O objetivo é inscrever o projeto em 1000 escolas do Rio de Janeiro de maneira participativa, em que o aluno passe uma mensagem através da ilustração. A interpretação dela pode ser usada na mediação de conflitos entre comunidades e a própria família”, esclareceu o desembargador Siro Darlan. De acordo com o presidente do Nupemec, desembargador Cesar Cury, o objetivo é somar esforços para potencializar a difusão da cultura e dos Direitos Humanos e ampliar a mediação. Através da parceria do Nupemec com as Secretarias de Educação e outras entidades, será possível levar as técnicas da Mediação, da negociação para dentro das escolas de Ensino Fundamental e Ensino Médio. “É impressionante como é perceptível que as crianças conseguem expressar através da arte sua realidade na medida em que reconhecem os Direitos Humanos correspondentes às realidades em que vivem. Percebem que têm direito a saneamento, escola, ambiente familiar acolhedor, que são os direitos básicos de qualquer cidadão como previsto na nossa Constituição”, reforçou o desembargador César Cury . O representante da organização sem fins lucrativos Inscrire, Philippe Nothomb, explicou que o foco da iniciativa é conseguir transmitir através da arte que o morador da comunidade tem o mesmo direito que um desembargador. Mas também é através dela que descobrimos a realidade deles e trabalhar a mediação. “Em uma escola pública de Coelho Neto, tivemos a experiência de uma criança de sete anos que desenhou um caveirão com um policial armado em cima atirando em direção a um menino na rua que brincava com uma pipa quebrada e dólares na cabeça. Conseguimos reverter completamente através da conversa e mediação”, acrescentou. SV/AB Fotos: Brunno Dantas/ TJRJ
11/04/2018 (00:00)
Visitas no site:  90088
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia